quarta-feira, 7 de setembro de 2011

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Volta as aulas, em estado de Greve

Os professores da rede estadual de Santa Catarina vão voltar às aulas a partir de amanhã (19 de julho), mas permanecem em “estado de greve”. Essa foi a decisão tomada pela assembleia geral da categoria, realizada no CentroSul, em Florianópolis. Mais de 4 mil pessoas compareceram. A paralisação durou 62 dois.

Gostaria de agradecer os amigos blogueiros que participaram junto dessa paralização, agradecer aos professores que contribuiram com textos, mensagens, recados e como última postagem sobre a greve deixo um texto de uma professora sobre essa luta justa.

SAUDADES...

VOU SENTIR SAUDADES!!!
Saudades das caravanas, das passeatas, dos encontros nas assembleias, do restaurante do “boi” que passávamos toda vez que vínhamos das assembleias e lá podíamos encontrar nossos amigos de Criciúma, dos amigos novos com sotaque puxado de xxxx, dos olhares de indignação, dos bravos guerreiros do Oeste e do Litoral, dos inúmeros comentários no blog do Moacir, do conhecimento de leis, do pastel de frango em frente a ALESC, do choro dos professores, das músicas que embalaram nossa caminhada, dos gritos de injúrias, dos almoços na assembleia, do chão com tapete vermelho da Alesc que serviu de cama por dois dias, do rosto de cada professor nos acampamentos, do sanduíche de presunto e queijo que comemos no dia do enterro da educação, da sede de justiça, do choro da deputada (Angela Albino), das notícias postadas neste blog, das noites em claro que reservei para postar minha revolta e indignação, da união dos meus colegas, da insistência em continuar a greve, do Hino Nacional cantado em frente a secretaria de educação deste nobre estado, de bater palmas pra ele (professor), dos apitos, dos narizinho de palhaço, da carreata, das inúmeras vezes que convencemos os colegas a continuar na greve, dos fotógrafos, das câmeras, dos jornalistas, das poses pra fotos, de assistir a RBS, de ler jornais para acompanhar as últimas notícias, dos telefonemas para marcamos reuniões, de levantar as mãos pela continuidade da greve, das vaias, de desfilar na passarela Negro Quirido, de ouvir o som das panelas, da voz dos deputados que nos defenderam com seus discursos magníficos, de segurar velas, de chorar, de sentir ódio, de ver o rosto de admiração das pessoas, de ver os motoristas buzinando a nosso favor nas passeatas, de ver pessoas levantando bandeiras e acenando para nós, de ser reconhecido como PROFESSOR que merece ganhar mais e ser valorizado……
SÓ NÃO TENHO SAUDADES da ingenuidade que ficou para trás, pois esta não volta nunca mais. Não tenho saudades do dia 13/07, o dia em que a educação neste estado foi enterrada por Colombo e sua corja, não tenho saudades da cara dos deputados safados que riam e zombavam de nós, do Bope que agrediu professores, da polícia que impediu nossa entrada no Plenário, da votação a favor do PLC/26, dos desmaios dos professores, dos rostos batendo nos vidros do plenário, das palavras sujas dos deputados, do deboche na cara deles, da insistência do governo em dizer que está aberto a negociações e que já deu tudo o que tinha que dar, não tenho saudades do deputado Joarez dizendo “eu não sei o que os professores querem”, das notícias falsas que a mídia lançava todos os dias, não tenho saudades do FIM DA GREVE…..
Agora uma nova profissional se faz dentro de mim. Com novos anseios, objetivos, com novas perspectivas, com novos conhecimentos. A melhor aula de cidadania que pude ter nestes 62 dias.
Que esta greve não tenha servido apenas para ganhos salariais e sim para combatermos a corrupção neste estado dominado por coronéis.
ESTA GREVE FOI MUITO IMPORTANTE PARA MIM E TENHO CERTEZA QUE PRA TODOS OS PROFESSORES.
ELA VAI DEIXAR SAUDADES!!!

Texto da professora Fabiana Viana, de Tubarão

Discutir educação

Texto de Moacir Pereira, na edição de domingo do Diário Catarinense.

Os dois meses de greve do magistério levaram a uma situação incomum. Durante todo esse período, Santa Catarina discutiu educação pública. Além da questão central sobre a remuneração dos professores, entraram na pauta a qualidade do ensino, a estrutura oferecida pelo Estado. Os catarinenses levantaram o tapete e começaram a enxergar poeiras com décadas de existência. Coisa que não aconteceu, por exemplo, na última campanha eleitoral.
A saúde, a segurança pública e a infraestrutura foram escolhidos pelos principais candidatos como os grandes temas da sociedade catarinense, com respaldo do eleitor. A ponto de o plano de governo apresentado por Raimundo Colombo – que ele preferia chamar de “agenda de governo” – não ter um capítulo sobre educação. O único trecho que pode ser usado para a atual situação é uma fala genérica sobre qualificação do serviço público, quando Colombo promete que “a capacitação contínua será será um elemento fundamental, inclusive nos planos de carreira do serviço público”.
Em 2006, candidato a reeleição ao governo, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), tinha um capítulo para educação em seu plano de governo em que prometia achatar a carreira do magistério. Isso mesmo, está na página 16 do chamado “Plano 15″: “elevação gradual da remuneração, priorizando os salários mais baixos, para reduzir, progressiva e fortemente, a diferença salarial entre as maiores e as menores remunerações”.
Está explicitada aí a opção por abonos de mesmo valor para todos os profissionais em lugar de reajustes lineares sobre a tabela. Uma política que não custou barato, já que o gasto com a folha da educação cresceu 138% nos dois governos do hoje senador Luiz Henrique. Mas que acabou fulminada em sua base teórica pela lei que criou o piso nacional. Como os aumentos não foram dados sobre o salário, os vencimentos básicos estavam muito defasados em relação à remuneração. LHS se juntou a outros governadores que questionaram o piso federal no Supremo Tribunal Federal (STF) e a questão ficou suspensa. E o tema educação seguiu fora da pauta da sociedade enquanto LHS e seu secretário da área, Paulo Bauer (PSDB), eram eleitos ao Senado.

Meritocracia

Eleito governador, Colombo tinha como principal aposta para a educação a implantação da meritocracia na política salarial. A ideia básica era criar um ranking baseado em metas e avaliações feitas junto aos professores, pais e alunos. Com base nas nessas notas, os profissionais da educação ganhariam um 14º salário. Em São Paulo, onde o sistema é aplicado, esse salário extra varia de R$ 1,5 a R$ 8 mil. A meritocracia tem forte resistência entre sindicalistas e funcionários públicos, mas com o apoio político de 31 dos 40 deputados isso não era visto como um problema.
Antes mesmo de dar corpo à ideia, Colombo foi atingido diretamente pela decisão do STF de que o piso federal deveria valer sobre o vencimento inicial e não sobre a remuneração. Subestimou a urgência em viabilizar um novo plano de carreira e acabou em meio a uma greve com ampla mobilização e apoio popular. Para dar fim ao movimento, gastou parte de seu capital político junto à Assembleia para aprovar a proposta que instituiu os novos patamares salariais do magistério à revelia da categoria.
E agora? Qual será o clima nas salas de aula após uma greve em que os professores saíram sem os ganhos financeiros que esperavam? O que vai acontecer após janeiro do ano que vem, quando os efeitos da proposta aprovada forem integralizados e os professores voltarem a cobrar a aplicação do piso em toda a carreira? Colombo vai trazer de volta a ideia de meritocracia, comprando mais uma briga com o Sinte/SC? Difícil saber.
Se serve de consolo, os catarinenses estão discutindo educação


quarta-feira, 6 de julho de 2011

Greve Continua

Os professores da rede estadual de ensino de Santa Catarina decidiram manter a greve por tempo indeterminado. Voto por maioria. Estão neste momento fazendo uma passeata pelas ruas centrais de Florianópolis.
Durante a assembléia, a única comemoração unânime aconteceu quando foi anunciada a decisão do desembargador José Gaspar Rubick, negando o pedido de suspensão da liminar que determinou ao governo adevolução dos descontos feitos nos salarios dos professores grevistas.
O comando de greve, que sofreu pesadas críticas durante a assembléia, volta a se reunir para decidir as novas ações.
Cerca de 4 mil professores estavam presentes. Portanto, menos da metade da última Assembleia realizada no mesmo local, a Passarela Nego Quirido. Em suas reivindicação os professores tinham como palavras de ordem repetidas contra o governador: “É greve, é greve, é greve… até que o Colombo pague tudo que nos deve.” Ou “Colombo, a culpa é tua… a greve continua.”

SINTE de São José e Florianópolis lançam nota de esclarecimento pela continuidade da Greve


REGÊNCIA NÃO É PISO!

Em meados do mês de maio “acordamos” enquanto categoria: PISO JÁ! Após a decisão final do STF sobre o Piso Profissional Nacional do Magistério, percebemos a legitimidade de uma nova LUTA. Assembleias Regionais em todo o estado validaram esta verdade. O grito de “PISO JÁ!” foi e é nossa bandeira.
A última proposta apresentada pelo governo traz um novo ENGODO. Pois quer apenas ACABAR COM A GREVE. Ele não pensa na necessidade de garantir os direitos dos profissionais do Magistério Público Catarinense, visto que mascara o cumprimento da Lei do Piso, sem gastar muito para não ter que buscar os "recursos reservados".
A receita usada é boa, se não fosse UMA GRANDE SACANAGEM COM A CATEGORIA: tira dos próprios grevistas os recursos, atordoa-os com coações, retém os salários, faz várias rodadas de “não negociação”, e por fim, adiciona o uso de recursos públicos para publicar notas na TV, onde se mostra bonzinho e preocupado com a Educação.
Portanto, o governo manipula fatos reais, porque tira direitos da categoria, como a regência de classe, desestruturando o Plano de Carreira; enfim, castiga os servidores da Educação!
Em relação à Lei do Piso (11.738/2002), quem garante que o governo vai cumpri-la se sairmos da greve? O governo em nenhum momento fez uma proposta que respeitasse os percentuais do quadro de carreira. Ou seja, o governo mente, enrola e manipula.
Neste caso, terminar com a greve significaria validar, enquanto categoria do Magistério, as ações do governo tais como: não garantia das regências e a desconfiguração do Plano de Cargos e Salários, além de outras perdas.
Portanto, convidamos a todos a se manterem firmes na Greve. Dizendo um “NÃO” às manobras políticas que têm como objetivo desmobilizar a categoria e descaracterizar o foco de nossa luta. Não admitimos ser massa de manobra.
Apesar dos 50 dias de embate, ainda nos mantemos firmes. Somos muitos lutando pelo mesmo ideal. Nunca, em Santa Catarina, houve tamanha adesão e permanência de uma categoria num movimento legitimamente constituído.
Assim, conclamamos os companheiros de todas as regionais que fortaleçam o movimento, visto que há chances de vitórias reais. Não apenas “avanços” como querem nos fazer acreditar. Enfim, só sairemos do movimento se obtivermos um cronograma de pagamento da aplicação da Lei do Piso Nacional do Magistério, no Plano de Carreira do Magistério Público Estadual de Santa Catarina vigente na data de 18 de maio de 2011, sem prejuízo dos direitos anteriormente conquistados.


QUEREMOS GANHOS E NÃO PERDAS!
PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO NÃO SERÃO LUDIBRIADOS!

A GREVE CONTINUA!

Rumo incerto do magistério

Ainda não houve um acordo entre os professores e o governo do estado de Santa Catarina e o desfecho dessa história ainda está longe de terminar, a reivindicação do piso salarial está longe de se concretizar como deveria de ser.
São horas, dias, semanas, meses, anos de dedicação em nossa profissão, e o resultado são professores desestimulados, doentes... uma doença sem cura... a doença da auto-estima, reconhecimento, valorização. Fizemos tantos por aqueles que por nós passam e o que ganhamos? Se o aluno vai bem, parabéns para ele. Se o aluno vai mal, culpa do professor. Somos os culpados de uma educação de migalhas, vistos pela sociedade como “folgados”.
Mesmo com adesão de mais de 90% da classe em greve e a mesma ser uma greve legal isso não é o bastante para nossos representantes cumprir o que é justo! A partir de hoje a divisão das regionais e dos mestres, já prevista, cria um fato novo.
Segunda e terça feira (04 e 05 / 07) foram realizadas as assembléias regionais, 17 deliberaram pela suspensão, 11 pela continuidade e 2 ficaram sem decisão.


REGIONAL e sua decisão

1ª Florianópolis: Continuidade
2ªTubarão:Continuidade
3ª Criciúma: Continuidade
4ªBlumenau: Suspensão
5ªJoinville: Continuidade
6ª Rio Sul:Suspensão
7ª Lages: Suspensão
8ª Mafra: Continuidade
9ª Joaçaba: Suspensão
10ª Concórdia: Suspensão
11ª Chapecó: Suspensão
12ª São Miguel: Suspensão
13ª Itajaí: Continuidade
14ª Caçador: Sem Decisão
15ª Araranguá: Continuidade
16ª Brusque: Suspensão
17ª Xanxerê: Suspensão
18ª Canoinhas: Suspensão
19ª Jaraguá Sul: Sem Decisão
20ª Laguna: Continuidade
21ªItuporanga: Suspensão
23ªMaravilha: Suspensão
24ª Curitibanos: Suspensão
25ª Ibirama: Continuidade
26ª São José: Continuidade
27ªSão Lourenço: Suspensão
28ª Campos Novos: Suspensão
29ªVideira: Continuidade
30ª São Joaquim: Suspensão
31ª Palmitos: Suspensão



Está ocorrendo nesta tarde a Assembleia Estadual onde o clima das manifestações dos professores no inicio da Assembleia é pela continuidade da greve. Contra, portanto, a maioria das assembléias regionais. Os professores das cidades litorâneas comparecem em maioria e esta presença pode fazer a diferença.
A coordenadora do Sinte, Alvete Bedin, recebeu vaias quando fez a primeira intervenção. O professor Marcelo pediu aos presentes que respeitassem todas as opiniões e Bedin pode concluir sua exposição sobre a proposta do governador.
Regência não é piso! Mas nesse momento é melhor sermos cautelosos para não perdermos nossos maiores aliados pais e alunos, no entanto, a categoria está descontente com os resultados.
Os professores de Xaxim retornam amanhã (quinta-feira 07/07) as aulas, porém em estado de greve, caso não se cumpra os acordos a greve pode voltar.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Apoio aos grevistas

Depoimento da Ministra das Relações Institucionais Ideli Salvatti em visita ao Acampamento dos Trabalhadores em Educação em Defesa do Piso na Carreira, na data de 02/072011, em frente a sede da Secretária de Estado em Educação - Santa Catarina.


video

Audiência do Sinte com o governador

Acima de todos os diagnósticos sobre a educação catarinense, a greve fermentou uma unidade política do magistério jamais vista em Santa Catarina. Cresceu em legitimidade pela ausência de interferências partidárias ou ideológicas. E, se não forem fragilizadas estas condições, os professores estarão virando uma página na educação pública.
Na tarde de ontem (domingo 03/07), o governador Raimundo Colombo coordenou pessoalmente a reunião com o comando de greve dos professores e o Sinte, na Casa da Agronômica. Encontro testemunhado pelo vice Eduardo Moreira e secretários que integram o grupo gestor.
A Assembleia estadual dos professores está marcada para quarta-feira para decisão.










Proposta Oficial:
Considernado o Oficio Expedido no. 099/2011, de 28 de junho de 2011 e a reuni!ao realizada no último dia 1o. de julho, o Governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria da Educação:

1. Reitera os termos da proposta aos professores apresentada pelo Governo ao Sinte em 15 de junho de 2011.
2. Iniciará a recomposição da regência de classe nas seguintes bases:
A- passar a regência de classe de 25% para 30 % em agosto deste ano e para 40% em janeiro de 2012;
B- passar a regência de classe de 17% para 20% em agosto e para 25% em janeiro de 2012;
C- passar a gratificcação dos especialistas de 15% para 20% em agosto deste ano e para 25% em janeiro de 2012;
D- passar os percentuais vinculados ao pagamento das horas excedentes de 3% (1,5 +1,5%) para 3,6% (1,8% + 1,8%) em agosto e para 5% (2,5% + 2,5%) em janeiro de 2012.
3. Solicita ao Sinte a indicação de 4 representantes para formar o grupo de trabalho definido na proposta aos professores, afim de iniciar seus trabalhos no dia 06 de julho próximo.

Fonte: http://sinte-sc.blogspot.com/
http://wp.clicrbs.com.br/moacirpereira/?topo=67,2,18,,,67

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Cronograma das atividades da Greve

* 04 de julho ( Segunda-feira)
14horas: Assembleia Regional em Xanxerê.
O ônibus saira da praça Frei Buno de Xaxim as 13 horas e 30 min.


Todos estão convidados, a participação no maior números nas atividades é sempre interessante.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Decisão judicial determina devolução dos descontos



Poder Judiciário Suspende os Descontos e Manda Rodar Folha Suplementar em até 03 Dias
Florianópolis, 29 de junho de 2011.

Prezados Companheiros do Magistério,

Em uma decisão histórica e carregada de elevado sentimento de Justiça e defesa das instituições democráticas ( - o direito de greve e de livre e ordeira manifestação), o Judiciário catarinense deferiu, na tarde de hoje (29.06.2011), medida liminar ao Magistério Público Estadual, determinando a SUSPENSÃO DOS DESCONTOS das “faltas de greve” e a IMEDIATA ELABORAÇÃO DE FOLHA SUPLEMENTAR, com o pagamento dos valores bloqueados, no prazo máximo de 03 (três) dias.

Como já amplamente noticiado, a Assessoria Jurídica do SINTE/SC entrou com a ação em 22.06.2011 (autos n. 023.11.032304-4), assinada pelos advogados José Sérgio da Silva Cristóvam e Marcos Rogério Palmeira, sendo deferida a medida liminar pelo Juiz de Direito da 3ª Vara da Fazenda Pública (Comarca da Capital), Dr. Hélio do Valle Pereira, com a suspensão dos descontos e o reconhecimento de que a greve é justa e legítima!
A decisão judicial deixa claro que pretende assegurar o “mínimo existencial” aos trabalhadores grevistas, que seriam profundamente prejudicados pelo corte do ponto, o que acabaria por inviabilizar o próprio movimento de paralisação!


O MM. Juiz ponderou, ainda, que essa é uma greve diferenciada, vez que pretende o cumprimento de uma política nacional de valorização do magistério (Lei do Piso Nacional)!

E o magistrado enalteceu a confiança, tanto nos professores paralisados, como no SINTE/SC, no sentido de que sua decisão não servirá para acirrar os ânimos e prolongar a greve, mas sim para permitir uma efetiva negociação entre o SINTE/SC e o Governo do Estado.
A categoria espera, da mesma forma, que agora o Governo do Estado deixe de atropelar as negociações (com desastrosas tentativas de criminalizar a greve, com absurdas pressões institucionais e descontos abusivos), reabrindo-se, de fato e de direito, as negociações para a solução da greve!

Relembramos, e isso ficou também expresso na decisão judicial, que as aulas poderão ser totalmente repostas ao final da greve (negociação), diminuindo os prejuízos para todas as partes envolvidas!



Fonte: http://sinte-sc.blogspot.com/2011/06/carta-aberta-vi-poder-judiciario.html#more

É o arraiá aí gentiii!!!!


O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.
Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.



*Atividades








Impeachment

Na quinta-feira (30/06), às 15hs, estará sendo protocolado pelo professor Elvis do IEE e outros apoiadores um pedido de Impeachment do governador Raimundo Colombo junto ao Ministério Público Federal. Quem quiser se juntar a causa é só aparecer nesse horário no MPF, entrar em contato pelo telefone: 91166497 ou email foracolombo@hotmail.com.



Segue em anexo o documento sobre o Impeachment produzido pelo professor Elvis.
colomboimpeachment-2.doc
* Clique aqui para fazer download


Fonte: http://educacaoemgreve.wordpress.com/

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Clipping Educacional‏

Professores:
Uma ótima opção de informações diárias sobre educação é o Clipping Educacional, eu particularmente já me cadastrei há mais de dois anos e recebo diariamente no e-mail, uma seleção das notícias do dia que estão relacionadas à educação. É uma forma realmente prática de se manter bem informado quanto aos acontecimentos no Brasil e no mundo.
No final da mensagem tem instruções de como se cadastrar para receber.
Nota; após o cadastro será enviado um e-mail de confirmação que às vezes é confundido com lixo eletrônico por isso é preciso verificar, além da caixa de entrada, também a pasta de lixo eletrônico.



Cadastro:
Para RECEBER o Clipping Educacional faça o seu cadastro no endereço: http://www.editau.com.br/produtos_clipping.php
Se desejar cancelar o recebimento do Clipping Educacional, basta enviar um e-mail para clipping@editau.com.br , indicando em assunto REMOVER.
O Clipping Educacional é enviado no formato HTML que é melhor visualizado no Thunderbird, Outlook Express ou programas equivalentes.
O Clipping Educacional é produzido pela:
EDITAU - Edições Técnicas de Administração Universitária - http://www.editau.com.br/




Contribuição da professora : Cristina L Z Toffoli . Muito Obrigada

Chapecó fez parte da campanha de doação de sangue

Em Chapecó, os trabalhadores em Educação passaram o dia envolvidos na campanha de doação de sangue.
O grupo fez um rodízio, enquanto uns se dirigiam aos locais de coleta, outros permaneciam na praça Coronel Bertaso conversando com a comunidade e vendendo bolos e salgados para angariar fundos para a greve.




Fonte: http://sinte-sc.blogspot.com/search?updated-max=2011-06-22T14%3A11%3A00-03%3A00&max-results=7

Governo volta a cambalear

Já está virando rotina:
Governador volta a cambalear frente à força do magistério!!!
Governo volta atrás, retira pedido de ilegalidade da greve. Descontos no salário ficam pendentes de negociações até o princípio da semana.
Até agora o governo tem recuado em cada uma de suas ameaças. Não é hora de vacilarmos. Temos de nos encorajar, a luta será dura porém somos mais fortes!

Uma situação insustentável

O governador Raimundo Colombo determinou a retirada da ação declaratória impetrada no Tribunal de Justiça pedindo a decretação da ilegalidade da greve dos professores. Altivez política ou demonstração de fraqueza? Pelas informações dos bastidores, a rigor, nem uma coisa, nem outra. O que teria ocorrido? Um gesto de boa vontade do governo para permitir que possam ser retomadas as conversações. O apelo partiu dos líderes partidários na Assembléia que buscam a conciliação.
A situação está ficando realmente insustentável. Para ambos os contendores. O prejuízo para os alunos já é irreparável. As férias estão perdidas para estudantes e professores. A continuidade do calendário escolar acabou. O governo sofre, também, um desgaste brutal. Arrisca-se a ficar com a imagem e a ação comprometida pelas conseqüências desta paralisação que tem características próprias e motivação bem definida.
Fatos que marcam esta histórica greve ficam cada vez mais evidentes. Em primeiro lugar, a improvisação das autoridades. Quando, lá em abril, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o piso salarial era equivalente a vencimento básico, a Secretaria da Educação já deveria estar com todos os cálculos feitos sobre as repercussões orçamentárias. Afinal, a lei federal do piso data de 2008. Deveriam estar prevenidos para sua aplicação depois do julgamento do STF. No improviso, uma sucessão de equívocos: a proposta considerando o piso igual a remuneração, rejeitada sob vaias da assembléia estadual; a tentativa de protelação com o argumento furado de não haver publicação do acórdão; o achatamento na carreira; a imposição da primeira medida provisória, sem mínima negociação; o desestímulo à especialização e aprimoramento acadêmico; e, o mais importante, que mantém o impasse há 37 dias, o fim a gratificação de 40% e 25% por regência de classe, conquista histórica dos professores. Houve, ainda, outra situação inusitada, com professores graduados recebendo reajustes insignificantes. E, segundo relatos, até casos de nenhuma vantagem salarial.
A causa da greve, portanto, é meramente financeira. Não há partido, nem motivação ideológica, nem comando radical. Esta é uma greve típica e legítima dos professores.

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/moacirpereira/?topo=67,2,18,,,67

Medida Provisória

Dos Gabinetes- Governo fecha negociação e castiga magistério catarinense, afirma Luciane Carminatti
“A MP nº 189 protocolada nesta terça-feira (21) na Assembleia pelo Governo significa o fechamento do canal de negociações e castiga o magistério catarinense”, afirmou a vice-presidente da Comissão de Educação, deputada Luciane Carminatti (PT), durante sua fala na tribuna do parlamento na tarde desta terça.
Luciane defendeu, ainda, que nenhum projeto de lei de autoria do governo seja votado na Casa até que o governador Raimundo Colombo reabra o canal de negociações com o Sindicato dos Trabalhadores de Educação (Sinte). “Esta nova proposta do governo é matematicamente incorreta, pois tira de um lado para colocar em outro. Ou seja, implanta a Lei do Piso, mas tira direitos conquistados, como a regência de classe e outros abonos, o que não podemos aceitar”.
A deputada ressaltou a necessidade de o Estado buscar recursos em outras áreas para atender as reivindicações do magistério catarinense. “O governo apresentou um teto máximo de R$ 22 milhões para pagamento da folha salarial da categoria, mas se tiver sensibilidade ampliará estes recursos”, disse Luciane. Ela destacou, por exemplo, o projeto de lei de sua autoria (PL 189/2011) que propõe que os recursos do FUNDEB fiquem somente na Educação e sejam excluídos da base de cálculo da Receita Líquida Disponível (RLD), e o Projeto de Lei (169/2011), também de sua autoria, que proíbe a privatização e terceirização da merenda escolar. Ela também defendeu que o FUNDEB tenha uma conta exclusiva.
“A privatização da merenda escolar aumenta em três vezes o custo da alimentação, o que é inaceitável. Além disso, é preciso reduzir a estrutura das SDR´s que mais gastam do que investem, fazendo isso sobrará mais recursos para melhorar a situação da educação, principalmente do magistério”, denuncia a parlamentar.
Fiscalização dos recursos do Fundeb
Luciane cobrou, durante audiência pública que debateu os rumos da educação em Santa Catarina, na manhã desta terça-feira no plenário da Alesc, a nomeação dos membros do Conselho de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB. “Cada estado deve ter um conselho com a finalidade de fiscalizar a aplicação dos recursos do Fundo, o que não acontece em Santa Catarina, por isso pedimos que o Ministério Público acione o cumprimento da Lei do FUNDEB, e que o Estado diga quem são os conselheiros e de que forma os recursos são aplicados”.

Contribuição da professora Enedir Orço.
Muito Obrigada

SINTE/SC rebate ataques do Governo

O SINTE/SC produziu material para ser exibido na mídia rebatendo as informações mentirosas do Governo sobre a greve do magistério.
As inserções serão exibidas nos dias:

*22 de junho: no intervalo da novela "Morde e Assopra", na TV Globo/RBS;
*22 de junho: no jornal RIC Notícias, na TV Record;
*23 de junho: 5ª feira, na Rádio CBN, em horários rotativos; :
*24 de junho: 6ª feira, no jornal do meio dia, na TV Record;
*24 de junho: 6ª feira, em horários rotativos na Rádio CBN.


Assistam....






video



Contribuições professora Simoni Percio. Muito Obrigada

Indignação de uma mãe

Sem Título!



É isso mesmo, pensei muito não achei um título para o meu manifesto: Queria poder falar com o Governador pessoalmente, sei que é impossível ele mal recebe a classe mais importante do Estado, os EDUCADORES, imaginam se vai me receber, me ouvir, logo eu, mãe de aluno de Escola Pública, que mal sabe se expressar. No entanto: com vírgulas, acentos, parágrafos e erros dos mais diversos colocados no meu desabafo, lá vai...
“Sr. Raimundo... Pobre de nossos filhos, pobre de nosso futuro... Sem Educação! Vendo só corrupção... Sem ESTADO! Que noção terão do mundo? Faixas negras como as dores... Sim são elas! E não as crianças, que vejo nos corredores... Rostos amargos, aflitos andando em procissão. Eu queria bandeiras brancas, mas o que desfila é um cruel caixão! Oh Moreira! De outrora conheces bem, a luta, a batalha o sofrimento... Se antes estavam só, sem amparo, engolindo um" te enganei!" Agora nós e eles, a sociedade sabe, tem amparo de uma Lei! Marco Antonio Tebaldi! No fundo, bem no fundo... Tu sabes, passou pela tua vida um Professor... Abnegado, valente, pouco remunerado, quase um voluntário... Mas ele foi nobre, guerreiro, competente. Fez de você um secretário! Raimundo... O Senhor Teve um professor? Eu imagino que sim... Triste seria se tivesses que provar, assim como o Tiririca...(personagem) que teu cargo é de protesto, de sabedoria poucos traços... Que ao invés de votar num político sábio, Elegemos um palhaço! ( Meu respeito aos circenses) Oh, Pinho Moreira! As salas estão vazias... Vazias de esperança! Arranque delas as negras faixas, mande de volta as crianças... Pulando nos corredores, com alegres professores, com direitos respeitados... Do contrário Senhores governantes, entraremos na peleia... Gritaremos todos juntos, Fechem logo as escolas, E abram então CADEIAS.


V. C. C. Mãe de aluno da E.E.Bom Pastor Chapecó SC.
Contribuição das professoras: Ivonete Dalmedico, Simoni Percio e Enedir Orço.
Muito Obrigada

terça-feira, 21 de junho de 2011

Retificação ao encontro da Greve

Gostariamos de informar que por determinação das Gerencias Regionais de Educação as escolas foram impedidas de fornecer o espaço para os professores, por essa razão a reunião marcada para quarta-feira (22/06) não mais será nas dependencias da escola Neusa Massolini e sim na CÂMARA DE VEREADORES DE XAXIM ÀS 13:30hs.
Obrigada
Sandra Baptista
Educar é Uma Arte

domingo, 19 de junho de 2011

Folha de pagamento com desconto

Governo do Estado roda folha de pagamento com desconto aos professores grevistas
Notícia publicada no portal do Governo do Estado:

Florianópolis (16/6/2011) - O pagamento do piso salarial e os ganhos de 7% a 44% para toda a categoria de professores não foram suficientes para que o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) retomassem as aulas. Em assembleias regionais nesta quinta-feira (16), os professores mantiveram o estado de greve, que completou 30 dias, e prejudica 300 mil alunos.

Com a recusa da categoria a evoluir na negociação dentro do limite financeiro do Estado, o Governo de Santa Catarina começa a rodar a folha de pagamento aos professores da rede estadual de ensino nesta sexta-feira (17), com o desconto dos dias parados aos professores em greve. Conforme haja a retomada das aulas, o pagamento será efetuado aos professores.

A proposta do Governo apresentada ao sindicato eleva em R$ 22 milhões/mês o repasse aos professores e o menor salário pago será de R$ 1.483,00. O valor é resultado do pagamento do piso salarial incorporado aos prêmios Educar, Jubilar e de assiduidade. Os professores ainda vão ganhar benefícios adicionais, como os triênios.

De acordo com o governador Raimundo Colombo, o Governo do Estado abriu todo o canal de comunicação para que a greve fosse resolvida com o maior ganho possível aos professores e que ao mesmo tempo respeitasse o limite financeiro do Estado. “Consideramos a greve justa e realizamos inúmeras simulações na folha de pagamento e avançamos muito no ganho, mas não podemos prometer algo que não poderemos cumprir”, contextualiza Colombo

Fonte: http://sinte-sc.blogspot.com/2011_06_19_archive.html

Cronograma das atividades da Greve

* 20 de junho ( Segunda-feira)
8 horas: Concentração na praça de Xaxim para organização dos grupos de visitas as escolas.
16 horas: Mesa Redonda na Rádio Cultura, com alguns representantes dos professores, para melhor esclarecimento a sociedade sobre a continuidade da greve.

* 22 de junho ( Quarta- feira)
13hora e 30minutos: Encontro para planejamento das atividades da Greve, na Escola Neusa Massolini.
Obs: Poderá sofrer alteração o local, mais será avisado no blog.


Todos estão convidados, a participação no maior números de atividades é sempre interessante.

sábado, 18 de junho de 2011

Diploma de Palhaço Licenciatura Plena de Otário‏

Contribuição da professora Enedir Orço.
Muito Obrigada

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A Greve continua...

Nas assembléias regionais realizadas no dia de ontem (16/ 06) em todo o estado de Santa Catarina, novamente a “proposta” do governo foi rejeitada, dando continuidade à greve por tempo indeterminado.
As assembléias demonstraram novamente a disposição de luta da categoria, que avisou que descontos na folha de salário podem doer, mas que seremos mais fortes.





Assembléia Regional de Xanxerê.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Carta dos professores a Sociedade

Caros Pais, alunos e população em geral,

Hoje a Greve do Magistério completa mais um dia. E a cada dia que passa nossa decepção com nossos governantes (que já passaram por um banco de escola e precisaram da ajuda de um professor para aprender a ler e escrever) e, ao mesmo tempo, nossa certeza de que lutamos pelo que é certo nos fortalece.
Temos consciência de que muitos de vocês não entendem nossa luta, uma vez que o governo passa somente o que lhe convém nos meios de comunicação. Mas ao mesmo tempo, inúmeros pais nos apóiam e compreendem a seriedade de nossa decisão e o mérito de nosso direito no cumprimento da lei.
No entanto, gostaríamos que todos vocês, trabalhadores como nós, participassem dessa luta conosco, fortalecendo a busca pelos nossos direitos e pressionando o governo a CUMPRIR A LEI.
A cada eleição somos procurados por inúmeros candidatos que prometem melhorias na educação mas, passada a contagem de votos e conquistada a vaga disputada somos esquecidos e trocados por um generoso salário. A EDUCAÇÃO, INFELIZMENTE, NÃO É PRIORIDADE PARA NOSSOS GOVERNANTES.
E aqui ficamos a nos perguntar: "Qual pessoa capaz de ler e escrever não necessitou de um professor, não sentou num banco de escola? E qual destas pessoas alfabetizadas valoriza seu mestre?"
Muitos passam por nós e dizem: "Professores, vocês mesmos não se valorizam!" Agora, portanto, que decidimos lutar por nossa valorização, pelos nossos direitos, pedimos seu apoio.
Ao invés de indignarem-se por seus filhos estarem temporariamente sem aula, indignem-se pelos salários absurdos de nossos deputados, pelos altos impostos que pagamos, pela má conservação de nossa escola, pelas reformas mal acabadas, pela falta de segurança e tantas outras coisas erradas que vemos por aí.
Pais, alunos e comunidade em geral, saibam que nossa luta é justa, que só pedimos o que é nosso por lei, desde o ano de 2008. Será que nesses três anos, nosso estado não conseguiu arrecadação suficiente para nos pagar?
Será que a educação é tão desnecessária para o crescimento de nosso estado?
Exigem quantidade de aprovação, quantidade de conteúdo passado aos nossos alunos, mas onde está a qualidade, a boa estrutura, o incentivo aos professores?
Pais, nossos questionamentos, assim como os de vocês são muitos, saibam porém, que nenhum professor está feliz de entrar em greve, esta foi nossa decisão extremada depois de tanto tempo esperando pelo bom senso de nosso governantes.
Ensinamos seus filhos a lutar por seus direitos e cumprirem seus deveres e, neste momento nossa aula é prática: lutamos pelo direito do Piso Nacional do Professor sem esquecer nosso dever de formar cidadãos críticos e atuantes.
Pais, alunos e comunidade em geral, contamos com vocês!
Nossa luta é justa, piso salarial é lei!
Muito obrigada,
Professores...

Greve professores Santa Catarina: Os Bastidores do Poder




De forma criativa mais realista o Professor Júlio Silveira de Tubarão - SC recriou pequenos vídeos que demonstram a realidade dos educadores de Santa Catarina. Parabéns professor Júlio





video



Bastidores do Poder I





video



Bastidores do Poder II

Fonte: http://professorjuliosilveira.blogspot.com/


quinta-feira, 9 de junho de 2011

A força dos professores de Santa Catarina

Segundo o jornalista Moacir Pereira, é histórica a mobilização dos professores no estado.
Publicado em seu blog:


A assembléia estadual do Sinte foi a maior já realizada em Santa Catarina. Contados 231 ônibus vindos de todos os pontos do Estado. 14 mil professores, repetiu Alvete Bedin. Faixas espalhadas pelas arquibancadas, cartazes, tudo enfatizando o cumprimento da lei e o pagamento do piso na carreira.
Professores aposentados, jovens, idosos, homens e mulheres, roupas de todos os tipos, mas uma impressionante unidade nos discursos e nos aplausos.
Força do coletivo que se projetou depois na aprovação unânime, braços estendidos com empolgação singular, aprovando a continuidade da greve e a entrega da nova proposta ao governo.
Bem organizada, som funcionando muito bem e depois uma manifestação ordeira e pacífica. Uma passeata como nunca se viu de uma só categoria profissional em Florianópolis, em extensão, vibração e, outra vez, unidade na ação.
O que vai acontecer agora ninguém ousa prever. Mas a união dos professores em torno de suas bandeiras é um fato novo a ser avaliado.
Se o governador Raimundo Colombo tinha olheiros na assembléia e na passeata, a assessoria não dorme tranqüila neste fim de semana.

Greve vai continuar...


24 dias e ainda não houve um acordo entre os professores e o governo de Santa Catarina.
Por unanimidade e com os braços erguidos com grande entusiasmo, os professores acabam de decidir pelo prosseguimento da greve. O comando e o Sinte vão agora conversar com o secretario Eduardo Dechaps. Leva a proposta dos professores, aprovada também por unanimidade.
Segundo a cordenadora do Sinte, Alvete Bedin, havia a presença de 14.000 professores na assembleia estadual da passarela Nego Quirido.


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Esquentando para a GRANDE Assembleia Estadual


Apesar de vários meios de comunicação terem apontado que a greve estivesse caminhando para seu final com alguma espécie de acordo entre governo e professores, o que se viu na assembleia regional deXanxerê nessa terça-feira (07/06) foi justamente a completa repulsa e indignação da categoria a uma “proposta” que não atende aos anseios dos trabalhadores, mas pelo contrário os indigna com suas proposições absurdas de retirada de direitos (redução da gratificação da regência de classe, etc …) e não concessão do piso respeitando nosso plano de carreira.
O auditório da Escola Costa e Silva estava lotado, e o que se viu juntamente com a mencionada indignação à uma proposta governamental aviltante foi uma incrível vontade de luta, de não arredar o pé sem o que é seu por direito.

Amanhã (09/ 06) acontecerá a GRANDE Assembleia Estadual na passarela Nego Quirido.











Não é hora de descansar! Vamos a luta!

domingo, 5 de junho de 2011

Texto Coletivo: Meio Ambiente



O Planetinha




Eu mudo meu mundo

Ajundando o Planeta Terra.

Atenção! O Planeta pede socorro.

Ele está doente.

Para salvar o Meio Ambiente, não devemos:

-Jogar lixo na natureza;

-Cortar árvores;

-Poluir os rios;

O Planeta ficará feliz com sua ajuda.

Obrigado.




Esse pequeno texto foi realizado em 2009, com a turma do 1º ano em que trabalhava.

Foi um trabalho maravilhoso de se realizar, os educandos iam falando, trocando ideias entre eles, tornando-se esse texto lindo.

Parabéns meus pequenos.


5 de junho: Dia do Meio Ambiente

Gosto muito desse texto para trabalhar os prejuizos que nós estamos fazendo contra a NATUREZA.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Paródia sobre a greve em Santa Catarina


video

Paródia:"Vou sim, Quero sim, Posso sim."

Letra do professor Márcio, interpretada juntamente do professor Reginaldo, em favor da greve dos professores do estado de Santa Catarina reivindicando o piso salarial nacional.

Caminhada da Vigília I



video

Caminhada da Vigília


A luz de Velas, professores da rede estadual de ensino de Xaxim – Santa Catarina que estão em greve a 16 dias, protestaram ontem (02) à noite com uma caminhada pela praça da cidade com velas, concentrando-se ao término em frente ao santuário de Frei Bruno. As velas simbolizam o descontentamento da categoria com as propostas do governo.















quinta-feira, 2 de junho de 2011

Proposta do Governo aos professores

O governador Raimundo Colombo afirmou esta noite,em entrevista coletiva, que o governo decidiu apresentar nova proposta para atender as reivindicações dos professores visando a descompressão da tabela salarial. A prioridade anterior,contida na medida provisória, era o pagamento do piso,explicou, para cumprimento da lei federal. Foram feitos novos estudos e a tabela na carreira melhorou.
Disse que o compromisso é pagar melhor os professores,mas que tem limitações financeiras e fiscais. “Vamos evoluir”, anunciou ao manifestar otimismo com o novo encontro com o Sinte marcado para amanhã.
Entre outras reivindicações contidas no documento do Sinte que o governo decidiu aprovar está a realização de concurso público do magistério.
Entre outras alterações contidas na tabela destacam-se:
1. O salário base contido na medida provisória é de R$1.683,00. Na proposta hoje apresentada cai para R$ 1.362,00.
2. Na medida provisória o vencimento básico atual passa de R$ 609,00 para R$ 1.190,00, enquanto o nível superior está em R$ 1.775,00 e aumenta para R$ 2.385,00.
3. O governo incorpora os Prêmios Educar e Jubilar no vencimento.
4. A regência de classe agora é unificada em 25%.
5. As despesas com a medida provisória totalizariam 14milhões de reais. Com a nova proposta passam para 19 milhões mensais.
6. A medida provisória beneficia 52% dos integrantes do magistério, em especial, os níveis menores.
7. A proposta nova do governo beneficia 100% dos professores, em escala que vai de R$ 100,00 a R$ 1.000,00.
8. A questão da hora-atividade não está na pauta. Houve empate no julgamento do Supremo e,segundo o Procurador Geral Nelson Serpa, deverá ser matéria de novo julgamento.
A coordenadora do Sinte, Alvete Bedin, saiu mais esperançosa da reunião. Deixou o Centro Administrativo com outros dirigentes do Sindicato para jantar e em seguida vai se reunir com o comando de greve. Enquanto atendia os jornalistas no hall do Centro Administrativo, em várias entrevistas, seus colegas de diretoria faziam cálculos,refaziam contagens, somavam e dividiam, tudo para uma melhor avaliação.
Pela primeira vez o governo negociou. Pela primeira vez, o governo apresentou uma proposta.
Os professores já tiveram,independente do encontro de amanhã, duas vitorias’políticas extraordinárias. O governo abriu espaços para buscar um entendimento e a medida que implode a carreira do magistério, na prática,está sepultada.

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/moacirpereira/?topo=67,2,18,,,67

Parabéns para mim!!!



Queridas amigas e amigos...
Hoje estou completando mais um outono!!
Estou muito feliz !!!!
Por isso, resolvi compartilhar minha felicidade com todos.
Não que os outros aniversários não foram maravilhosos, todos foram e continuaram sendo mais hoje eu tenho vocês meus amigos virtuais para compartilhar também esta felicidade.






De presente, completei 100.000 Visitas!!! Muito Obrigada à todos.



Parabéns...

Educar é uma arte...


De acordo com o dicionário:
EDUCAR:
Transmitir conhecimentos a;
Cultivar o espírito; instruir-se, cultivar-se.
ARTE:

Capacidade que tem o ser humano de pôr em prática uma ideia,
Atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito de caráter estético, carregados de vivência pessoal e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de prolongamento ou renovação


Educar é uma arte, pois quando praticamos consciente de nossas ações, com amor, carinho, respeito à nós, ao próximo e á nossa profissão a mesma se torna uma arte que encanta todos. Van Gogh, Da Vinci, Tarcila, Portinari, Romero Brito... grandes nomes da Arte... mais nós EDUCADORES é que somos os grandes artistas da sala de aula... Educar é uma arte!!!
Queridas (os) amigas e amigos blogueiros que enorme alegria que estou vivenciando. Educar é Uma Arte, comemorando 100.000 VISITAS!!! Obrigada por todos que visitaram e continuam prestigiando nosso trabalho.






"Educar é uma tarefa sublime, espinhosa mas
confortante para quem exerce a função conscientemente..."


Paralisação Regional



Professores da rede estadual de educação de Santa Catarina, saíram em passeada no dia (31 de maio, terça -feira), para mais um ato de reivindicação ao pagamento do piso salarial nacional. Os docentes reuniram-se a partir das 14h na praça da cidade de Xanxerê. O movimento contou com a presença das cidades de Abelardo Luz, Bom Jesus, Vargeão, São Domingos, Faxinal dos Guedes, Ponte Serrada, Ipuaçu, Lajeado Grande, Marema, Xaxim e Xanxerê. Os docentes percorreram as principais ruas da cidade de Xanxerê, concentrando-se após a caminhada na frente a Regional de Educação da SDR de Xanxerê, com a queima dos diplomas.